Pular para o conteúdo principal

Por falta de auxílio governamental, mães de crianças com microcefalia protestam em Natal...

Mães de crianças com microcefalia se reuniram em um protesto realizado em Natal, nesta segunda-feira (7), para reclamar das falhas no atendimento aos pacientes da doença. Elas reclamam das recorrentes interrupções do atendimento médico por causa das greves dos servidores públicos, e também da falta de medicamentos na Unidade Central de Agentes Terapêuticos (Unicat).

A dona de casa Valdenice Almeida, mãe da menina Vitória, portadora da doença, diz que parte do tratamento da filha, a fisioterapia e terapia da visão, está prejudicado em virtude das paralisações. “Agora já faz um mês que tá em greve o CRI (Centro de Reabilitação Infantil”, reclama.

As mulheres, carregando os filhos, se juntaram em frente a Governadoria do Estado, no Centro Administrativo, para pedir melhorias na oferta de tratamento por parte do Estado. No que diz respeito aos remédios, as mães de crianças com microcefalia reclamam da falta de medicamentos fornecidos gratuitamente na Unicat para controlar as crises convulsivas das crianças. Segundo elas, o remédio está em falta há nove meses. Nas farmácias, o medicamento, que dura menos de um mês, custa R$ 300.

“Dizem que está em falta e não tem nem previsão de chegar”, é o que afirma a dona de casa Érica Santos, mãe de uma paciente, sobre o que informam os servidores da Unicat a respeito dos remédios. Érica afirma ainda que precisa retirar dinheiro do benefício da filha para arcar com a despesa.


Em nota, a Unidade Central de Agentes Terapêuticos informou que está em andamento um processo emergencial para aquisição dos medicamentos. Em relação à greve dos servidores, que durou mais de um mês, a Secretaria de Saúde Pública (Sesap) disse que a paralisação terminou na sexta-feira (4).

Fonte e texto: G1-RN

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Nova Cruz: Câmara Municipal mostra submissão ao executivo e aprova projeto que "enterra" direitos do professor...

Tudo dentro do Script.
Sabe aquele filme de terror que tem muita trama, mentiras, traições, mas todo mundo sabe como acaba. Foi assim com a votação do Projeto de Lei 006/2017 enviado pelo prefeito de Nova Cruz, Targino Pereira e aprovado pela maioria absoluta da Câmara Municipal de Nova Cruz.
A Sessão Ordinária desta sexta-feira (30), mas que teve sabor de 13, marcou o fim dos trabalhos do primeiro semestre do Edis, mas manchou de forma imensurável a educação do município de Nova Cruz de forma negativa.
Um resultado previsível que ficou evidente que aconteceria logo após a realização da audiência pública pela clara posição dos vereadores naquele momento.
Não adiantou mostrar as perdas para a categoria e para os alunos, o plágio evidente do anexo IV de um projeto baiano; o não exito na cidade de Monte Alegre - RN quando foi lá implementado; a falta no documento de 10 anexos, dentre muitos outros melíficos que estavam nas entrelinhas.
Valeu de fato a submissão da bancada governista ao Poder …

Candidatos a professor temporário já podem realizar suas inscrições...

Já está disponível a inscrição para professor temporário para o estado do Rio Grande do Norte. 


O candidato que desejar concorrer a uma vaga deve preencher a ficha, fazer o pagamento da inscrição, efetuar o pagamento da taxa de inscrição e  entregar todos os documentos na respectiva DIRED do município para qual optou na Ficha de Inscrição, até às 13 horas, do dia 10 de maio de 2017.

Para ter acesso a inscrição CLICK AQUI.

Nova Cruz não tem como dar incentivo fiscal a empresa, diz Prefeito Targino Pereira, em matéria da InterTV...

A 2ª Edição do RN TV da InterTV Cabugi  apresentou matéria sobre o fechamento da fabrica da Alpargatas em Nova Cruz.
Dos pontos apresentados na matéria três chamam bastante atenção.
- O motivo alegado pelos empresários que o fechamento se deu devido a crise financeira e falta de incentivo fiscal contrapondo com a discordância do sindicato sobre esses argumentos.
- O posicionamento do prefeito Targino Pereira, confirmando que o município não tem como dar esse incentivo fiscal a empresa e admitindo que o município recebia pagamento de  uma taxa de licença para funcionamento. Sendo que ainda prometeu tentar suprir a ausência da Alpargatas com a abertura de outra empresa. ( Mas sem  referir se seria com incentivo ou não). 
- A negativa por parte do Secretário de Desenvolvimento Econômico do RN, Flávio  Azevedo, em razão dos motivos apresentados pela empresa afirmando  que os empresários  do grupo Alpargatas nunca solicitaram ao estado nenhum tipo de incentivo fiscal.

O fato é que hoje são 375 …